domingo, dezembro 29, 2013

Monsenhor Hilton

MONSENHOR HILTON GONÇALVES DE SOUSA
(31 Dez 1912 / 20 Fev 1985)

"Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem"
João 10.14


Estamos em 1912, no último dia 31 de dezembro , nas despedidas do ano velho, que acena para o ano novo de 1913. 
Nos derradeiros momentos, quando todos festejam a passagem do ano, no velho casarão da Avenida Getúlio Vargas , Dona Custódia de Souza Moreira festeja de um modo todo peculiar, trazendo ao mundo mais um herdeiro, de uma prole numerosa de 15 filhos.
Seu pai, Virgílio Gonçalves de Souza Moreira o deixou muito cedo, com apenas 1 ano e 8 meses.
São suas essas palavras : "Como seria bom, se eu pudesse ter conversado e discutido vários assuntos com meu pai".
Menino estudioso, inteligência brilhante, começou seus estudos no Grupo Escolar Dr. Augusto Gonçalves , surpreendeu por sua rara inteligência, ao ser alfabetizado antes dos sete anos, só porque ia à escola com sua irmã, professora, e lá ficava brincando embaixo da mesa. Gostava de trabalhar, nos momentos de folga escolar, no Armazém de seu cunhado Augusto Rodrigues, como também no Armazém de seu outro cunhado Cícero Franco. O menino Hilton transportava também, a correspondência do correios, fazendo longas caminhadas.
Sentiu vocação para ser padre e, apoiado pela família, principalmente sua mãe e o então vigário Padre Cornélio Pinto da Fonseca . Foi estudar em Belo Horizonte , no Seminário do Coração Eucarístico de Jesus, pelos idos de 1925 . Continuava bom aluno, obediente e aplicado. Sentindo no entanto, dúvidas sobre sua vocação, pediu permissão à sua mãe, para se retirar do Seminário. Claro, essa sua decisão entristeceu muito aos seus familiares, mas foi aceita e respeitada. Fez opção pela carreira de professor indo lecionar em Sete Lagoas. Nessa época escreveu um romance ainda inédito intitulado "A Voz do Coração". 
Sua mãe adoeceu e o fez voltar para Itaúna para fazer-lhe companhia nos últimos anos de sua vida. Passou a lecionar Português e Matemática na Escola Normal Oficial de Itaúna. Durante toda a sua vida gostou muito das coisas do campo e,  seu tempo livre empregava-o como hortelão, cuidando de uma enorme horta no fundo da sua casa .
Pouco depois da morte de sua mãe, em 1936, o jovem Hilton sentiu novamente o chamado de Deus e, agora, sobe os degraus do Seminário muito mais firme, convicto da vocação e mais ligado à Deus. As dúvidas e as indecisões ficaram para trás. Padre Hilton viveu sua vida dedicada à Deus plenamente!
Seus estudos e orações foram coroados de êxito com sua ordenação em 1944, na Matriz de Sant'Anna, com uma grande festa. Teve por padrinhos seu irmão Manoel Gonçalves de Sousa  e o Prefeito da cidade de Itaúna Dr. Lincoln Nogueira Machado. A cerimônia foi oficializada por sua Exº. Revmº. D.Antônio dos Santos Cabral, Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte.
Veio trabalhar em sua cidade na Paróquia do Coração de Jesus de Santanense, onde seria sua última paróquia. Com seu dinamismo e disponibilidade, dedicou -se inteiramente ao serviço de Deus. Foi um percurso brilhante por suas realizações, tanto no campo espiritual, quanto no administrativo. Homem íntegro, com imensa capacidade de trabalho, sabia ser culto, sem ser pedante; polido, sem ser piegas; forte, sem ser autoritário; profundamente educado, sem ser bajulador.
No dia 20 de fevereiro de 1985 uma avalanche desabou sobre todos nós! Era o último dia de carnaval  no Grêmio Paroquial de Santanense, a música tocava alegremente e os foliões dançavam despedindo-se do carnaval. E veio a notícia fulminante, que ninguém esperava ou acreditava:  Monsenhor Hilton morreu!
Foi uma morte rápida, como ele sempre desejou! E ele nos deixou!
De um momento para o outro ficamos órfãos, perdemos nosso pai.
Nunca vimos uma quarta-feira de cinzas tão cinza!
O silêncio rolou pelas ruas, os soluços retumbavam, as lágrimas  escorreram pelas faces das pessoas incrédulas, tristes, familiares, amigos, enfim, todos que tiveram o privilégio de usufruir de sua companhia e amizade.
No momento de sua morte ele estava em sua casa à Rua Acácio Baeta nº 99 em Santanense, com sua sobrinha, quase filha, Marisa Gonçalves de Sousa.
No entanto, sua passagem, em nossa paróquia, nos trouxe imensos benefícios espirituais, já que era preocupadíssimo com suas ovelhas, as quais muito amava.
Transmitia a fé e os ensinamentos como ninguém e trabalhou arduamente pelo reino de Deus.
Eternamente continuará vivo em nossas lembranças e em nossos corações !


Fontes :
Resumo Biografia  Marisa Gonçalves de Sousa
Paróquia Coração de Jesus Santanense - Itaúna mg
http://www.paroquiacoracaodejesus.com/a-paroquia/parocos/monsenhor-hilton/
Charles Galvão Aquino


sexta-feira, dezembro 20, 2013

Diploma Medicina do Dr. Augusto Gonçalves

EM NOME DE SUA MAGESTADE O SENHOR D PEDRO II

IMPERADOR CONSTITUCIONAL E DENFENSOR PERPÉTUO DO BRAZIL

FACULDADE DE MEDICINA DO RIO DE JANEIRO

Eu Barão de S. Salvador de Campos, Grande do Império, do Conselho de S.M. o Imperador , Cavalheiro da Ordem da Rosa, Médico da Imperial Câmara, Doutor em Medicina , Lente de Matéria médica e Therapeutica e Vice- Diretor da Faculdade , etc, etc, etc.

Tendo presente o termo de aptidão ao Gráo de doutor, que obteve O Sr. Augusto Gonçalves de Souza Moreira, natural de Sant'Anna de S. João Acima (Procincia de Minas Geraes) , filho de Manuel José de Souza Moreira e Anna Joaquina de Souza, nascido no dia 29 de Julho de 1861, e o de collação do Gráo que recebeu no dia 19 de Janeiro de 1888, depois de ter sido approvado plenamente em defesa de Theses; e usando da autoridade que me conferem os Estatutos para que possa exercer a respectiva profissão, com todas as prerogativas concedidas pelas leis do Império.

Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro , 26 de Janeiro de 1888






Fontes:

Acervo - Fotografia do Diploma Afonso Henrique da Silva Lima



terça-feira, dezembro 17, 2013

Silva Jardim

Antônio da Silva Jardim

(Capivari, RJ, 1860 - Vesúvio, Itália, 1891)

Nasceu no município de Capivari, hoje Silva Jardim, no Rio de Janeiro, no dia 18 de agosto de 1860.  Filho de Gabriel Jardim, professor primário e Felismina Leopoldina de Mendonça. Aos cinco anos aprendeu a ler em casa, na escola do pai, e aos seis escrevia e passava horas estudando. Em 1871, completa os estudos primários na Escola Pública da Vila de Capivari. Estuda no Colégio Silva Pontes no Rio de Janeiro. Em 1874, matricula-se no Colégio São Bento, onde estuda português, francês, geografia e latim. Era responsável pela redação do jornal estudantil Labarum litterario. Com quinze anos publica um artigo sobre Tiradentes, no qual elogia a rebeldia contra o absolutismo. Por falta de recursos, deixa a república e vai morar em Santa Tereza, com um primo, estudante de medicina. Em 1877, recebe do pai o valor de trezentos réis e embarca para São Paulo para cursar a Faculdade de Direito do Largo São Francisco.
Em 1878, inicia sua vida acadêmica, mora na república, participa de reuniões das sociedades literárias. Inicia grande atividade literária. Passa a lecionar na Escola Normal e se emprega como revisor do jornal Tribuna Liberal. Em 1881 aderiu à filosofia de Auguste Comte e inaugurou o primeiro centro positivista de São Paulo. Formado em 1882, começa a advogar. Em 1883, casa-se com Ana Margarida, filha do conselheiro Martim Francisco de Andrada.
 Foi um grande protagonista da abolição e era  um abolicionista radical, disposto a burlar qualquer expediente jurídico que barrasse a libertação dos escravos. Para ele, a lei da abolição deveria ter – como de fato teve – apenas dois artigos. “A questão se resolveria assim: o primeiro artigo diria: fica abolida a escravidão no Brasil; e o segundo, pedimos perdão ao mundo por não tê-lo feito há mais tempo”. Silva Jardim foi responsável pela fuga de dezenas de escravos de fazendas paulistas."
Em 1888, com a crise do império, participa de comícios em prol da República. Por sua iniciativa pessoal, realizou em Santos, em 28 de janeiro, o primeiro comício republicano do país. A partir de então e até o fim de 1889, dedicou-se à campanha republicana. Percorreu diversas cidades fluminenses, paulistas e mineiras para divulgar o novo regime político e promoveu, também no Rio de Janeiro, numerosos comícios. Ao mesmo tempo, colaborava na Gazeta de Notícias.
Por seu radicalismo, foi excluído do Partido Republicano. Depois de instalada a República vai aos poucos sendo afastado do primeiro governo republicano. Em 1890, candidata-se para compor o Congresso Constituinte, pelo Distrito Federal, mas é derrotado. Retira-se da vida política. No dia 2 de outubro do mesmo ano, vai para Europa, em companhia da família e dos amigos Carneiro de Mendonça e Américo de Campos. No dia 1 de julho de 1891, estando em Pompéia, na Itália, quer ver o Vesúvio. Acompanhado de Carneiro de Mendonça, arranjam um guia e foram até a cratera, aproximam-se da borda, mesmo tendo sido avisado de que o vulcão poderia entrar em erupção a qualquer momento, escorregou, caiu e foi tragado por uma fenda que se abriu na cratera da montanha , deixando o motivo dessa morte envolvido em mistério, pois a imprensa da época insinuou que ele poderia ter suicidado por desilusão política.
Assim, um vulcão lá na Europa distante, teria influenciado os rumos da República brasileira ao ceifar a vida de um ativista político que era uma esperança importante por seus pronunciamentos e atitudes diante dos novos desafios que a nação enfrentava. Sem contar que em inúmeras cidades do país existem praças, ruas e avenidas em homenagem a este grande homem.

OS ITAUNENSES APOIARAM AS LIDERANÇAS REPUBLICANAS

Chega à Santana , pelo correio de Bonfim , a notícia da proclamação da república.
Nessa noite promoveram os republicanos uma imponente passeata cívica, em que havia um andor enfeitado com as cores nacionais e sobre o qual se erguia a pequena Elvira, filha do Sr. Artur Matos, vestida de República.
Itaúna foi dos primeiros lugares em Minas que se manifestaram republicanos e, pela ocasião da proclamação da república, talvez o único que não tivesse um monarquista sequer.
Contam que o ardoroso republicano Cassiano Dornas dos Santos sacou o paletó e fê-lo de tapete para o burro que conduzia as malas do correio, com a notícia da proclamação de Deodoro ...
E tal foi a alegria com que o povo cercou o comboio do Correio, que o estafeta, sem saber o motivo de tanto delírio, pensou se tratasse de agressão à sua pessoa ...
Aureliano Nogueira Machado, diretor da banda de música local, escrevia no bombo, a letras garrafais, a frase "Viva a República !" ...

 O entusiasmo era tanto, que em 1885, em plena vigência da Monarquia, o tenente-coronel Zacharias Ribeiro de Camargos, denominou "República" a sua fazenda. Escreveu este nome em letras garrafais na porteira de entrada de sua propriedade. Um subversivo em pleno império. Quatro anos antes da proclamação, que se deu em 15 de novembro de 1889, antes mesmo da abolição, que ocorreu em 13 de maio de 1888! Como vereador Municipal em Pará de Minas, representava o distrito de Sant'Anna naquela edilidade. Propôs, e foi aceito, o primeiro nome oficial para a principal rua do arraial, SILVA JARDIM, homenagem ao grande e jovem tribuno dos ideais republicanos. Foi um gesto corajoso de rebeldia. Perpetuou nas páginas da história e no coração dos filhos de Sant'Anna o nome deste grande brasileiro, encarnação do espírito nacional.  

Fontes:
http://www.conexaoaluno.rj.gov.br/especiais-23a.asp
João Dornas Filho -  Livro Silva Jardim
João Dornas Filho - Efemérides Itaúnenses ( Pág 252)
http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0182e.htm
Fotografia : Angela Penido / Charles Aquino
Itaúna em Detalhes -Enciclopédia Ilustrada de Pesquisa (Guaracy de Castro Nogueira)
Realização:
Charles Aquino, graduando em História pela Universidade do Estado de Minas Gerais / FUNEDI Campus da Fundação Educacional De Divinópolis.

domingo, dezembro 15, 2013

TROPEIROS

TRIBOS TROPEIROS TROPAS
SANT'ANNA SÃO JOÃO ACIMA

O povoamento da região compreendida pelo atual distrito da cidade de Itaúna deve de ter tido início no século XVIII, quando ao sul já existiam as explorações de ouro de Itatiaiuçu e mais ao norte, em Pitangui . A região entre estes dois núcleos de população, compreendendo o futuro arraial de Santana, atualmente distrito da cidade de Itaúna, já devia ter os seus habitantes, embora nesta época ninguém cuidasse de agricultura, estando todos voltados para as pesquisas do ouro. Em épocas mais remotas, não resta dúvida, esta região foi povoada por indígenas. Zona muito irrigada, coberta de matas, com abundancia de pesca  e caça, deve de ter sido propícia ao florescimento indígena . Nas escavações que fizemos em Santanense e na estrada Itaúna - Divinópolis, na fazenda do Sr. Antônio Chaves, encontramos muitos objetos e utensílios indígenas, como contas, machados de pedra e pedaços de materiais cerâmicos . Não se pode dizer com exatidão quais as tribos de índios que habitaram o território itaunense . Os indígenas brasileiros não eram sedentários, o seu   nomadismo variava quase que com as estações .  Estou certo que, com o povoamento do litoral , logo após a descoberta do país, as tribos que habitavam o litoral, aliás as  mais numerosas , foram empurradas pra o interior , à medida que o povoamento ia se realizando. O nosso primitivo território, futuro arraial de Santana e arredores, no correr dos anos, deve ter sido povoado por tribos diversas, muitas delas em trânsito para o interior do País. O de que não temos dúvida é que a raça era a dos Tupis, mais civilizados relativamente. Os Tapuias, mais ferozes, habitavam o planalto central, entre 5 e 20 º de latitude sul.
Pitangui e Itatiaiuçu  foram os núcleos iniciais de todo o povoamento desta parte do Estado. Itatiaiuçu em 1703 já era curato. A Vila do Infante, hoje, Pitangui, foi criada em 1715. Minas ainda formava uma só capitania com São Paulo, desmembrados em 1722.  Gilberto Amado querendo salientar o atraso do Brasil em 1822, ano da independência , mais de um século depois da criação da Vila do Infante , assim se expressa : - " a população do Brasil em 1822, fazendo um cálculo sobre as estatísticas incompletas da época , não  podia exceder de 4.500.000 habitantes, dos quais 800.000 índios bravios, 2.200.000 pessoas livres 3 1.500.000 escravos, índios e negros , adstritos ao serviço da terra".  ...
... Santana de São João Acima foi sempre pouso de tropas, cruzamento de caminhos que vinham do Rio de Janeiro em rumo do Sertão e vice- versa , trazendo sal, armarinhos e tecidos. A nossa indústria de tecidos, iniciada com o notável empreendimento da Cia. Tecidos Santanense , data de 1891, talvez tenha se originado desta movimentação comercial do arraial  de Santana , que nos trouxe novas ideias e salientava as necessidades do sertão . Santana tornou-se assim  um ponto de contato do litoral com o sertão , que na época atraia os pioneiros. Os santanenses de então eram pioneiros, foram os precursores da marcha pra o oeste, tão em voga nos dias de hoje. meu pai, com menos de 20 anos , fez muitas viagens a Goiás, visando a compra de bois . Eram viagens penosas ao sol e nas chuvas durante três meses ou mais . Sinfrônio  Nogueira Machado , morreu em Goiás , Wesquival Nogueira e muitos outros, atraídos por forte vocação de bandeirantes. Todas as boiadas vindas de Goiás faziam pião em Santana e eram enviadas ao Rio de Janeiro, sendo Sítio na Central a estação de embarque . A mentalidade itaunense era portanto de sertanistas , de bandeirantes , no rumo oeste do País . Mais tarde é que , com a localização da Capital em Belo Horizonte , tivemos nela um novo centro de atração.  Os itaunenses de hoje emigram pra Belo Horizonte , atraídos pela grandeza da nova Capital, perdendo aos pouco a fibra de sertanistas e pioneiros que herdaram dos seus maiores .
Havia tropeiros que possuíam ate dez lotes de burros, sendo que no oeste mineiro, um lote era constituído de sete animais. Daí se calcula, o volume de interesses econômicos e sociais que empunhava um simples tropeiro naqueles tempos. E os mais inteligentes e operosos adotavam roteiros magníficos, com o fim de melhor aproveitar o esforço da romagem. Um, para exemplo - Joaquim Gonçalves de Freitas, de Santana do São João Acima, hoje Itaúna - obedecia, no tempo da seca, o alucinantes itinerário que se segue: partia de Santana com a tropa carregada de gêneros e tecidos de algodão da incipiente indústria local com destino ao porto de Estrela, no fundo da baía de Guanabara. É claro que havia fretes para as localidades do percurso, mas o destino era o velho porto fluvial, onde recebia cargas para o norte da Mata do Rio e sul do Espírito Santo, procurando Grão-Mogol, que ele chamava de Grã-Magu; ali recebia carregamento de algodão e couros para retornar ao porto da Estrela, onde finalmente se provia de cargas com destino à Santana e praças de permeio. Gastava nesse giro os seis meses da seca.

FONTES :
Osmário Soares Nogueira - Revista Acaiaca - 1954  Pags 19,20,21
TROPAS E TROPEIROS : João Dornas Filho (Academia Mineira de letras) 
Universidade Federal de Minas Gerais - Conferências pronunciadas
Primeiro Seminário de Estudos Mineiros, realizado de 3 a 12 de abril de 1956  Pág : 97

sexta-feira, dezembro 13, 2013

Padre Eustáquio

Fundação do Bairro Padre Eustáquio

Foi o Padre Eustáquio, que na época prestava serviços a Deus na paróquia do bairro Carlos Prates , que tem hoje o seu nome, em Belo Horizonte, quem por volta de 1942, deu a bênção à pedra fundamental da Companhia Nacional de Ferro Puro, que estava projetada para ser implantada em Itaúna, em terreno que fora da fazenda do Coronel Arthur Vilaça, sendo prefeito o Dr. Lincoln Nogueira Machado, quando a Prefeitura Municipal de Itaúna entraria com o terreno.
Padre Eustáquio ficou hospedado na residência do Dr. Antônio Augusto de Lima Coutinho, oportunidade em que , no dia  seguinte ao seu pouso, uma menina naturalmente curiosa, estando em casa do Dr. Coutinho, olhou pelo buraco da fechadura do quarto de hóspede e viu que o seu leito estava intocável e que ele estava dormindo no chão.
Estavam à frente deste projeto em Itaúna o Dr. Lincoln Nogueira Machado, Dr. Antônio Augusto de Lima Coutinho, Arthur Contagem Vilaça e outros. Como o Banco do Brasil S.A. não forneceu recursos para o projeto em Itaúna, os mesmos foram aplicados em Volta Redonda (São Paulo).  E a pedra fundamental, com jornais da época ,moedas e outros acervos constituídos de documentos da época, foram então transferidos para onde o Padre Luiz Turkenburg projetara a nova matriz, por volta de 1958.
Mais tarde, no final da década de 40, Geraldo Alves Parreiras  decidiu implantar um bairro com o nome de Vila Padre Eustáquio , onde teria sido a Companhia Nacional de Ferro Puro, criando também a Siderúrgica  Itatiaia e a Fergás.
A vinda do Padre Eustáquio ensejou que ele retornasse a Itaúna para pregar em um retiro espiritual para as mães itaunenses, no primeiro ano do paroquiato do Pe. josé Neto , em 26 de julho de 1943.
Cada participante recebeu um santinho com os dizeres " ser mãe extremosa não é fazer todas as vontades dos filhos e deixá-los crescer sem cultura, como ervas ruins do campo. Ser verdadeiramente mãe é cuidar da saúde e bem estar dos filhos, não se esquecendo de sua alma infantil. É corrigir os seus defeitos em criança. antes eles chorem em criança do que depois, quando forem homens"
Estas brilhantes palavras, de sadia verdade, deveriam ser lidas e meditadas por certas mães que, cumulando os filhos de mimos demasiados, os tornam voluntariosos e mal criados e lhes preparam um caminho que no futuro se torna um verdadeiro calvário de amargura.

Fonte:  Livro Pe. José Neto  60 anos de Sacerdócio - Pags: 129,130

terça-feira, dezembro 10, 2013

Padre Antônio Maximiano

Padre Antônio Maximiano de Campos
(1863-1902)

(Quarto Pároco de Sant'Anna)

Por volta de 1870 , o Padre Antônio Maximiano de Campos comprou de Dona Custódia, proprietária da fazenda Berto, um terreno à margem do rio São João, abrangendo a várzea, onde há ainda hoje o pontilhão da estrada de ferro , e  no sentido oeste, uma outra passagem de água, indo até às proximidades da cachoeira da usina que hoje tem o nome do Dr. Augusto Gonçalves, medindo 132 alqueires. O padre era inclinado a lidar com criações e plantações. Naquele tempo, a Dona Custódia vinha assistir às missas, carregada numa liteira pelos escravos . Primeiramente, o Padre Antônio Maximiano fez uma pequena construção na parte alta de onde hoje se encontra o curral . Sé depois construiu a sede com 14 cômodos, com uma capela no seu interior, dedicada a Santo Antônio , e mudou-se para a fazenda , passando a dar assistência na Matriz somente aos domingos, indo a cavalo, hospedando-se na casa de Josias Gonçalves de Souza.  Moravam com o  padre, que era também delegado de ensino, dois escravos, Manoel  Carolina e Generosa.  Naquele tempo, a várzea era naquele trecho um alagado pantanoso que, no seu lento escorrimento, formava dois braços de rio, lugar infestado por pernilongos, e o Padre Antônio Maximiano usava um canoa para fazer a travessia do rio.
Na sua fazenda , o Padre Antônio Maximiano cuidava de  muitas variedades de frutas, principalmente uvas, e fabricava vinho, que era guardado no teto da casa onde ele subia usando uma escada móvel.  Certa vez, a escrava Generosa estava zangada com ele e tirou a escada do lugar, deixando-o de castigo por um bom tempo no teto da casa, o que custou à escrava uma boa refrega.
Só em 1875 , na administração do Padre Antônio Maximiano de Campos , as obras de reforma foram terminadas, com a pintura interna feita pelo artista Pedro Campos de Sabará, auxiliado por Antônio dos Santos, conhecido por Tonho do Bá. Era uma pintura sem graça, que os reparos de 1916 e 1926 fariam desaparecer.
O Padre Antônio Maximiano de Campos foi durante todo o período de sua assistência em Santana um bom amigo da paróquia. Era gorducho, bonachão, caridoso, displicente e apreciava bons pratos.  Soube reunir a seu redor muita simpatia e amizade. Morreu em 28 de fevereiro de 1902, vítima de uma dilatação do estômago , e durante seis meses, a paróquia esteve sem vigário .
Logo, Emídio Caetano Moreira foi a Bonfim e comprou a fazenda aos herdeiros do padre . Também em Santana, o padre tinha parentes , como o seu sobrinho Antônio Lopes Campos Sobrinho, o Tonico Lopes.
  Emídio Caetano Moreira , o velho, era fazendeiro na época em que o Padre Antônio Maximiano chegou a Santana.
 Olímpio Moreira, o Olimpinho , nasceu em 23 de novembro de 1906 e sempre morou onde morava o Padre . Agora mora atualmente o Sr. Romeu Moreira e a fazenda , que hoje se chama Boa Vista , é conservada zelosamente no mesmo estilo em que foi construída.  .

Fonte :  Resumo Livro Pe. José Neto (Comemoração 60 anos de Sacerdócio) Ano 1997
Páginas :105,106,107108
*Sr. Romeu Moreira (In Memoriam)


                            Padre Antônio Maximiano de Campos        


-Foi proprietário da Fazenda Boa Vista
-Foi delegado de ensino.
-Terminou as obras da ampliação da matriz de Sant’ana em 1875
-Foi presidente do” Clube Literário e Progressista” de 1884/85
-Secretariou a assembléia de constituição da fábrica de Tecidos Santanense fundada em 1891.
-Abençoou as instalações da Cia de Tecidos Santanense em sua inauguração em 7 de  set 1895.
-Foi vereador da primeira Câmara de Itaúna e ocupou o cargo de vice-presidente da mesma.
-Na câmara propôs a troca do nome da cidade(município recém-criado – 16/09/1901) para BURGANA (pequena cidade de Ana), não sendo aprovado.
-Bom amigo da paróquia,caridoso,bonachão.
-Soube reunir ao redor de sim simpatia e muita amizade.
-Faleceu em 28/02/1902.
-Após sua morte, a paróquia ficou seis meses sem vigário.
-Foi enterrado dentro na antiga Matriz demolida em 1934.

Fonte pesquisa: Jornal  O Paroquial
Páginas: 06 / 07 Abril 2001
Arquivo Fotográfico: Esposa  do Sr. Romeu (In Memoriam)


quarta-feira, dezembro 04, 2013

Praça da Matriz

 PRAÇA DA MATRIZ E SEUS NOMES 



LARGO DA MATRIZ  - ATÉ FINAL DA DÉCADA 20 

PRAÇA JOÃO PESSOA  - DÉCADA 30

PRAÇA MÁRIO MATOS - DÉCADA 30

PRAÇA BENEDITO VALADARES - DÉCADA 40 

PRAÇA DR. AUGUSTO GONÇALVES - DÉCADA  50




A MANIA DE MUDAR NOMES TRADICIONAIS DE LOGRADOUROS PÚBLICOS

Através de portaria de 25 de outubro de 1930, deu ao antigo, histórico e tradicional LARGO DA MATRIZ o nome de PRAÇA JOÃO PESSOA, em homenagem ao líder  paraibano, candidato a vice-presidente na chapa de Getúlio Vargas, assassinado na capital de Pernambuco.
Em 1936,  o Prefeito Artur Vilaça, foi exonerado sendo nomeado em seu lugar Dr. Lincoln Nogueira Machado pelo governador Benedito Valadares. Um dos primeiros atos deste prefeito foi trocar o nome da praça principal. Retirou o “João Pessoa” dado pelo Artur Vilaça e colocou PRAÇA MÁRIO MATOS.
Posteriormente, houve uma lei da ditadura que determinou que todos os municípios brasileiros tivessem num dos logradouros públicos o nome do Presidente da República, passando a tradicional Rua Direita a ser denominada Avenida Getúlio Vargas e a Praça Principal mudou de nome pela 3ª vez sendo denominada PRAÇA BENEDITO VALADARES.
Com a queda de Getúlio e Benedito (Década 40) populares arrancaram a placa de Valadares que não era bem quisto na cidade dando ao mais importante logradouro público, no coração da cidade, o nome do fundador do município PRAÇA DR. AUGUSTO GONÇALVES (também conhecida como Praça da Matriz por causa da Igreja Matriz de Santana


Fonte :  Resumo Livro Pe. José Neto (Comemoração 60 anos de Sacerdócio) Ano 1997


segunda-feira, dezembro 02, 2013

Cosme Silva

Cosme Caetano da Silva

MEIO SÉCULO DE VERSATILIDADE NO RÁDIO

"Considerado um artista nato, com atuação em diversos segmentos da arte dedicou mais de 50 anos ao rádio"

Extremamente versátil, inteligente, criativo e com uma veia artística muito forte, o jornalista, advogado, radialista, dramaturgo instrumentalista e compositor. Cosme Caetano da Silva deixou um considerável legado, sobretudo no rádio, onde atuou mais de 50 anos. Ele iniciou sua carreira, neste veículo de comunicação , como músico da Radio Clube de Itaúna tão logo foi inaugurada em 1950, passando em seguida por diversas funções na emissora e , nos últimos anos, apresentou o programa de variedades "Shôsme Silva Show" até a sua morte em 21 de agosto de 2003.
  Cosme Silva nasceu em 24 de fevereiro de 1928 em São Gonçalo do Pará MG e aos 75 anos era um exemplo de entusiasmo e dedicação ao rádio . E tinha muita história para contar .Aliás , contar histórias era com ele mesmo, o que fazia com competência e propriedade ao escrever inúmeras peças teatrais , a exemplo de sua obra prima " E Ela não Voltou" , encenada pela primeira vez em Itaúna em 1964. Essa habilidades de escritor também foi empregada na criação de rádio-novelas , as quais, além de escrever, apresentava, narrando, interpretando e criando todos os sons necessários para compor a trama, a partir do seu aprendizado na Rádio Nacional do Rio, onde estagiou.
A Rádio Clube de Itaúna foi a primeira emissora do interior a produzir novelas radiofônicas em capítulos , fazendo grande sucesso em toda a região Centro Oeste de Minas.
Consta do anedotário do rádio que durante a transmissão - era tudo ao vivo _ de um capítulo de suas novelas , um dos personagens morreria vítima de um tiro , mas na hora prevista, a espoleta falou. O ator, contudo não se atrapalhou e teve a iniciativa de começar a gritar :"Você não merece um tiro. Você vai morrer é na faca".
MÚSICA - Um instrumentista por excelência tocava piano, violão, cavaquinho, gaita, acordeom e escaleta, destacando-se, ainda, como compositor. Cosme Silva chegou a liderar dois conjuntos musicais : "Ases do Samba e "Garotas Tropicais" , mas abandonou sua atuação musical em decorrência das atividades que desempenhava no rádio, passando a acumular somente a função de promotor de shows, levando renomados artistas nacionais e internacionais à Itaúna, como : Nelson Gonçalves, Gauby Peixoto , Oscarito e Baden Powel .
 Ele também produziu inúmeros programas de auditório, revistas musicais, repostagens e transmissões de jornadas esportivas, sendo pioneiro nas transmissões do interior - a primeira foi ralizadade Uberaba pra Itaúna e foram gastas oito horas na construção da linha telefônica entre o estádio nacional e a central telefônica local. Sem jamais abandonar a Rádio Clube de Itaúna , Cosme Silva participou da fundação da  Rádio Santa Cruz de Pará de Minas - atualmente pertencente à  Diocese de Divinópolis - e foi um dos sócio -fundadores da Rádio Tropical de Lagoa da Prata. Seu nome também está ligado à Associação Mineira de Rádio e Televisão. _ AMIRT , já que ele assinou a ata de criação da entidade, como representante da Rádio Clube de Itaúna .
 Suas múltiplas atividades não o impediram, contudo, de ter uma expressiva atuação social - isto muito antes do conceito de responsabilidade social e de voluntariado estar na moda. Ele participou de conselhos consultivos, como membro atuante, de entidades diversas, desde hospitalares até clubes recreativos de operários, passando por unidades escolares, irmãos vicentinos e clubes de serviços como Rotary e Lions. Chegou a ser diretor do Orfanato de Itaúna e, ainda, arrumou um tempinho pra se enveredar pela política, sendo chefe de gabinete do prefeito Milton Penido e , posteriormente, vereador por dois mandatos  : 1970 a 1972 e de 1972 a 1976.
HOMENAGENS -  Pelos inúmeros projetos que desenvolveu, seja na área artística ou nos meios radiofônicos e empresariais , Cosme foi contemplado com medalhas, troféus e títulos . Dentre eles, o de Cidadão Honorário de Itaúna , em 1974 ; medalha de Ouro, concedida pela Associação dos Cronistas radiofônicos de Minas Gerais , em 1963 ; Troféu Força Nova, pelo jornal Diário de Minas , em 1969; Troféu Gutemberg , recebido em Araxá , em 1974; Operário Padrão de Itaúna, em 1978 ; e Troféu Bandeirantes , concedido pelo Programa Jota Silvestre, da Tv Bandeirantes  de São Paulo , em 1983. Também foi agraciado com diversos troféus de coritos e poesias.  Sua produção deu se , na maioria das vezes, como autodidata , já que só aos 40 anos ele pôde concluir o Madureza Supletivo, atualmente -e em seguida passar no vestibular pra o Curso de Direito da Universidade de Itaúna em nono lugar, data a sua inteligência acima da média.
Casado com  Dª Noêmia Maria Caetano, com quem teve dois filhos : Giovanni Vinícius e  Cristine Guadalupe, Cosme Silva foi e continua sendo um exemplo para todos aqueles que conviveram com ele, aqueles que puderam acompanhar a sua trajetória ou que possam vir a tomar conhecimento da sua história .


Instituto Cultural Maria de Castro Nogueira  - ICMC

segunda-feira, novembro 25, 2013

Mário Matos

Mário Gonçalves de Matos

Nasceu em Santana do Rio São João Acima, atual Itaúna (MG), no dia 28 de setembro de 1891, filho de Antônio Pereira de Matos e de Maria Gonçalves de Sousa Matos. Fez o curso secundário no município mineiro de Dores do Indaiá e o preparatório nas cidades de Belo Horizonte e Juiz de Fora. Transferindo-se para a então capital federal, matriculou-se na Faculdade Livre de Direito. Ainda nos tempos de estudante começou a atuar no campo do jornalismo e das artes. Em 1912 escreveu seu primeiro texto teatral, intitulado A chegada do presidente. Dois anos depois terminou a peça Seu Anastácio chegou de viagem. Em 1915 começou a escrever para o jornal carioca Gazeta de Notícias e logo após para a Revista ABC, da qual se tornou redator-chefe. Em 1920, ano em que se formou, escreveu a peça Itaúna em fraldas de camisa. Escreveu a famosa peça teatral "As Cigarras do Sertão" em 1925. Recém-formado, retornou a Itaúna, onde foi vereador e vice-presidente da Câmara Municipal. Eleito deputado estadual em 1923, exerceu o mandato na Assembleia Legislativa mineira até 1926, tendo sido vice-presidente da casa e membro da Comissão de Finanças. Em 1927 foi eleito deputado federal pelo Partido Republicano Mineiro e em maio tomou posse na Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro. Reeleito em março de 1930, teve o mandato interrompido em outubro seguinte em decorrência da vitória da revolução que levou Getúlio Vargas ao poder e extinguiu todos os órgãos legislativos do país. Voltou então para Itaúna e passou a advogar.
Em fins de 1933 foi nomeado diretor da Imprensa Oficial de Minas Gerais e, em 1935, ministro do Tribunal de Contas mineiro. Em julho de 1939 assumiu a Secretaria do Interior e de Justiça do estado e em julho de 1940 foi nomeado desembargador do Tribunal de Apelação, corte da qual posteriormente se tornaria vice-presidente. Foi ainda diretor da Escola Normal e do periódico Centro de Minas, em seu município de origem, e professor do Instituto de Educação, diretor do Diário de Minas e redator-chefe da Revista Alterosa, em Belo Horizonte. No Rio de Janeiro trabalhou na Imprensa Nacional e foi docente no Instituto Lafayette. Foi membro do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, presidiu a Associação de Cultura Franco Brasileira e a Academia Mineira de Letras, e foi diretor da Associação Mineira de Imprensa. Faleceu em Belo Horizonte em 28 de dezembro de 1966.
Casou-se com Elisa de Moura Matos e, posteriormente, com Hermelinda de Almeida Matos. Seu genro Paulo Campos Guimarães foi deputado estadual em Minas Gerais. Em seu vasto número de publicações destacam-se Discursos (1927), Ultimo canto da tardeMachado de Assis: o homem e sua obra (1939) e O homem persegue o autor (1945).

Luciana Pinheiro

FONTE: CÂM. DEP. Deputados brasileiros (p. 191); 
MONTEIRO, N. Dicionário (v. 1, 2, p. 305-306; 404-405); PREF. MUN. ITAÚNA.


sábado, novembro 23, 2013

Isma Pereira Frade

ISMA PEREIRA FRADE

Uma baiana que amou Itaúna

ISMA PEREIRA FRADE ou simplesmente Dona ISMA, nasceu em Salvador (BA) em 29 de Dezembro de 1924. Ainda muito nova Dona ISMA perdeu seus pais, tendo sido criada uma tia-avó Amália do Sacramento Pereira e seu marido Octaviano Marques Pereira. Inciou seus estudos no Instituto Normal da Bahia e, em 1941 formou-se NORMALISTA (hoje professora primária). Ingressou no ex-IAPI (Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Industriários) através de Concurso Público. Em 1947, no Rio de Janeiro, recebeu o seguinte desafio que ela mesma contava: "ir para uma cidadezinha do interior de Minas Gerais, chamada Itaúna e lá abrir um Posto do IAPI". Como boa baiana, aceitou e desafiou e dizia: "viajei de locomotiva a vapor (Maria Fumaça), do Rio de Janeiro para Belo Horizonte e de lá para Itaúna". Aqui chegou em 1947, sem conhecer nada nem ninguém da cidade. Havia, como há ainda hoje, uma pensão quase ao lado da Estação Ferroviária. Hospedou-se lá e, quem a conheceu sabe, tinha uma imensa facilidade de fazer amizades. E foi o que aconteceu. Em pouco tempo era conhecida por todos. A primeira pessoa a quem ela procurou foi Sr. Prefeito Municipal, à época Dr. Antônio Augusto de Lima Coutinho (DR. COUTINHO), expondo-lhe sua missão aqui em Itaúna. Dizia ela que recebeu total apoio e, em pouco tempo conseguiu abrir a Agência do IAPI, contando, também, com a colaboração da Cia.Industrial Itaunense e Cia. Tecidos Santanense, as duas maiores empresas da cidade. Em outubro de 1950, casou-se aqui em Itaúna com ERNESTO FRADE, bancário,  natural de Formiga (MG), que veio transferido para o extinto Banco Comércio e Indústria, depois Banco Nacional. Desta união nasceu IONE COUTINHO, filha única do casal. Depois da Agência funcionar em diversos locais, durante o período revolucionário houve a fusão dos diversos Institutos, passando a ser o Instituto Nacional de Previdência Social e Dona ISMA continuou a ser a AGENTE (Chefe da Agência). O Instituto então adquiriu um terreno à Rua Dr. José Gonçalves, onde construiu a Agência Local, tudo sob a supervisão de Dona ISMA e, conforme ela mesmo dizia, contou com a inestimável colaboração do Engº. SÉRGIO DE CASTRO, atual Secretário Municipal de Obras da Administração Municipal. Depois de 35 anos de profícuo e dedicado trabalho ao Instituto, decidiu aposentar-se, o que aconteceu em 1977. Em 1971, a Câmara Municipal de Itaúna concedeu-lhe, merecidamente o título de CIDADÃ HONORÁRIA DE ITAUNA, título do qual ela muito se orgulhava, pois dizia "SOU ITAUNENSE DE CORAÇÃO". Coincidentemente, em 1978 a Cia. Industrial Itaunense ainda em boa situação, através de sua Diretoria, decidiu fazer uma reformulação completa, moderna e mais dinâmica em seu organograma, criando Departamentos, Divisões e Setores. Em vista da exeriência da Dona ISMA na área social e da necessidade de uma empresa do porte da então Itaunense ter um setor especializado em assistência social, ela foi contratada, com o objetivo de implantar o Setor de Assistência Social, tendo sido nomeada Chefe do Setor. Eu, pessoalmente, acompanhei Dona ISMA em várias visitas que fez a diversas Empresas que já tinham o referido setor já bem estruturado e, baseada nas diversas experiências que conheceu, estruturou o Setor na Itaunense. Para que funcionasse bem, a Diretoria destinou uma verba para que ela pudesse, entre outras coisas, atender aos funcionários de qualquer cargo ou nível, oferecendo pequenos adiamentos de salários, ajuda em caso de doença, etc. E o mais importante, com excessão da Diretoria, era a única pessoa que teve autorização para abrir uma conta bancária em nome da Cia. e assinar cheques. Em 1982, Dona ISMA resolveu ingressar na política, candidatando-se a vereadora. Foi eleita e cumpriu o mandato de 01-02-83 a 31-12-88. Foi considerada uma boa representante do povo, especialmente dos menos favorecidos, que ela conhecia bem devido anos de experiência vividos com AGENTE do INPS. Com a piora da situação da lItaunense ela decidiu parar de trabalhar definitivamente. Por problemas de saúde, mudou-se para BOCAIÚVA (MG), indo morar com sua filha IONE que para lá se mudara desde o casamento. Os problemas se agravaram e ela foi transferida para Montes Claros, onde acabou falecendo dia 14 de Julho de 2005. Seu sepultamento foi aqui em ITAÚNA, terra que tanto amou e dedicou sua vida. Houve um sentimento generalizado de perda em toda a comunidade itaunense. Perdemos a Dona ISMA do INPS. Esta é resumidamente, a vida desta grande itaunense.

Texto: Juarez Nogueira Franco
Fonte: Ione Coutinho - (filha)


sexta-feira, novembro 15, 2013

Jove Soares


JOVE SOARES NOGUEIRA
Por Mário Soares


 Ombro alto, magro, 1,75 de altura, cenho carregado, cabelos ralos e grisalhos, barba e bigode feitos, lúcido e jovial, aos 85 anos de idade, andava o Cel. Jove Soares teso e desempenado como um moço.
Nascera aqui mesmo na fazenda das Três Barras , quando Santana do Rio São João Acima era distrito da cidade de Pitangui, em 8 de julho de 1868, na quadra mais tormentosa da guerra do Paraguai, entre as batalhas de Humaitá e Itororó.
Era filho de Firmino Francisco Soares, de Onça de Pitangui, hoje Jaguaruna , e de Fabiana Nogueira Duarte, filha caçula do velho Manoel Ribeiro de Camargos, da fazenda da Vargem da olaria, um dos turunas da sua época, nos tempos de Santana.
Aos 26 anos de idade, isto é, em 25 de agosto de 1894, casara-se com sua prima Augusta Gonçalves Nogueira, uma garota de 16 anos , viva e bonita, inteligente e prendada, filha primogênita de Josias Nogueira Machado, que lhe enfeitiçou a vida e lhe infundiu animo e força de vontade para trabalhar como um gigante, criar uma família de onze filhos, dar a estes educação e estudo nos melhores colégios, deixando a todos, tranquilo e orgulhoso de sua obra, o amparo de uma dignificante educação moral e cívica, de uma boa cultura e de regular fortuna. No tempo de sua mocidade, fora sobretudo boiadeiro .
Não era do tipo desgracioso, desengonçado e torto da personagem de Euclides da Cunha, mas possuía em toda a sua plenitude a tenacidade , a bravura e a fortaleza do sertanejo.
Não possuía o hábito de se recostar, quando parado, ao primeiro umbral ou à parede que encontrasse ; nem cair de cócoras sobre os calcanhares; nem o de descansar sobre   os estribos, quando sofreava o animal, pra trocar duas palavras com um conhecido. Era um sertanejo um tanto quanto civilizado, sem chapéu de abas largas, de vestimenta comum, com muita compostura nos gestos e nas palavras.
Impulsionado pela fibra inata, deste meninote se acostumou a varar os sertões. Acompanhado do criolo Hortêncio, ou do preto Paulino , ou do seu primo Versol, ombro alto, relho de cabo de peroba à mão, tronco pendido para frente e oscilando à feição do trote de seus surrados cavalos, desferrados e tristonhos, rumava para Goiás, por trilhos, veredas e estradas quase intransitáveis, em busca de gado.
 Sem saber nadar, vadeava rios caudalosos agarrado à cauda de seu animal. Isto numa era em que não existia nem o avião, nem o automóvel e nem o rádio. Levava três meses tangendo vagarosamente, daquelas brenhas longínquas para Santana, o gado bravio e chucro ali adquirido. Ora cantarolava em surdina atrás  daquela mole ondulante toadas de senzala; ora afundava nas caatingas garranchentas colado a um garrote arribado e esquivo; ora lutava loucamente para conter o estouro da boiada.
Em casa, só ficava o tempo necessário à engorda do gado invernado nas suas fazendas da Bagagem, das Três Barras e do Pedro Gomes.
Se não lhe aparecesse comprado à porta, com a mesma fibra e tenacidade, punha o gado gordo em marcha e ia vende-lo  à charqueada de Santa Cruz, ou abatê-lo em Niterói, no Estado do Rio, outra tirada de mais de seiscentos quilômetros no lombo de seus  célebres cavalos.
Tinha apenas o conhecimento das primeiras letras; mas, inteligente e cônscio disso , sabia porta-se com compostura, nas reuniões mais seletas. Trazia sempre pronta uma verve de ironia para os pomadistas, para os pelintras e para os metidos a sabichões . Bom palrador  , deliciava-se com uma boa prosa, simples ou picante . Pouco crédulo , desconfiado e sem respeito humano, nunca se deixou apanhar por espertalhões. Estava sempre a par do que ia pelo mundo, através da leitura dos jornais, no que era um viciado. Não fumava, não bebia e não jogava  , mas em compensação fora um emérito galanteador, fino e respeitoso.
Na luta pelo direito, era um obstinado; demandista, ferrenho, porém leal . Chegara até a demandar, em pleitos memoráveis , na repulsa daquilo que julgava intolerável injustiça, com um irmão amado e com o vigário João Ferreira Álvares da Silva. Era visceralmente econômico . Dava ao dinheiro extraordinário valor, talvez pelas canseiras do trabalho honrado e duro em adquiri-lo e por possuir no mais alto grau o senso da previdência .   Depois dos quarenta e dois anos, convidado respectivamente pelos amigos Dr. Augusto  Gonçalves de Souza  , Cel . João de Cerqueira Lima, Dr. Cristiano França Teixeira Guimarães, e Dr. Tomas de Andrade, fundara com os mesmo, em maio de 1911, a Companhia Industrial Itaunense, e em janeiro de 1923 o Banco Comércio e Indústria de Minas Gerais, S.A. , de que fora grande entusiasta e onde invertia invariavelmente as suas economias na compra de suas ações. Com o falecimento do Cel. Antônio Pereira de Matos , ocorrido em 27 de fevereiro de 1926, fora eleito diretor secretário da Itaunense  , posto em que se manteve pela consideração de seus amigos até o fim de sua vida.
Nunca fora forte em política.  Mas vangloriava-se em tom de caçoada, em poder contar, em  qualquer emergência , com dois votos seguros: o da Galinha Gorda, seu rendeiro da fazenda da Bagagem, e o do Antônio Luiz , seu sobrinho por afinidade.
mas, mesmo assim , foi vereador à primeira Câmara Municipal de Itaúna , em 1902 , mandato que lhe foi renovado até 1916; e foi Conselheiro Municipal  em 1932 e 1936.
Enviuvou-se em 14 de maio de 1935. E venerou a memória de sua esposa querida até o último alento. Todas  tardes , ao por do sol , em casa ou em qualquer lugar em que estivesse, voltava-se em espírito e coração pra o local onde jazia a amada,  guardando uns minutos de silêncio, rezando baixinho, ou balbuciando coisas ininteligíveis, como a confidenciar  com alguém de muita estima  e respeito.
Falecera em 17 de novembro de 1953. Fora um bravo até para morrer. Se lhe fosse possível vencer a morte, ele a venceria, porque com ela disputava palmo a palmo , conscientemente, bravamente, o direito de viver um pouco mais, contendo, inúmeras de suas tremendas investidas, contrariando todos os prognósticos dos médicos assistentes , até tombar inconsciente, debaixo de seus inexoráveis tentáculos .

Revista Acaiaca  / Década : 1952 nº 56, p. 28 a 31.